Além das bombas e foguetes, Israel e Hamas travam guerra eletrônica

À margem dos bombardeios com aviões e foguetes, Israel e o movimento islamita Hamas travam nestes dias uma “ciberguerra” pela internet e por meio de vários meios eletrônicos com os quais, sem causar mortos nem feridos, tentam desmoralizar seu inimigo e entorpecer sua rotina.

Esta guerra, na qual participam os serviços de inteligência e simpatizantes de cada parte em todos os cantos do mundo, inclui ataques piratas a sites oficiais, suplantação de identidades em redes sociais, publicação de materiais por canais como YouTube e difusão de acusações e atrocidades com a finalidade de propaganda.

A esta simbiose de guerra psicológica e novas tecnologias da comunicação, as duas partes dedicam consideráveis recursos e financiamento. “Desde o começo apelamos a todos os técnicos palestinos em Gaza e pelo mundo todo, principalmente aqueles que têm contas no Facebook, para que usem estas vias a fim de derrubar as páginas e sites israelenses”, disse Islan Shahwan, porta-voz do Ministério do Interior do Governo do Hamas.

Seu próprio Ministério foi vítima de um ciberataque israelense após começar na quarta-feira passada a ofensiva “Pilar Defensivo”, na que Israel varreu a Faixa de Gaza com mais de 1,3 mil bombardeios aéreos e as milícias palestinas a metade sul do território israelense com mil foguetes.

Em um SMS, o porta-voz informou aos jornalistas que a partir de agora podem seguir a página do Ministério do Interior no Facebook, talvez a única “dimensão” que resta de pé, porque Israel também destruiu no domingo seu prédio na Cidade de Gaza.

“Queremos enviar a mensagem de que a guerra de Israel contra nosso povo, que tem como alvos seres humanos, tem também uma dimensão eletrônica, e que o inimigo israelense não pode usar os meios tecnológicos para fabricar mentiras”, acrescentou Shahwan.

Os hackers palestinos e seus simpatizantes não ficaram muito atrás de Israel, que desde quarta-feira passada sofreu mais de 44 milhões de ataques cibernéticos por todo tipo de vias, revelou o ministro de Finanças israelense, Yuval Steinitz.

Steinitz assinalou que se trata de um número “sem precedentes” que representa “unicamente” os ataques contra páginas governamentais na internet e que uma delas caiu durante sete minutos.

“Nosso objetivo é causar ao inimigo quantas mais perdas possíveis em todos os níveis”, afirmou Fawzi Barhoum, porta-voz do Hamas, ao expor que os “bárbaros atos” de Israel que “têm como alvo os civis” os fizeram pensar em todas as vias possíveis para se defender: “A guerra cibernética e eletrônica era uma das opções”.

Hackers palestinos conseguiram também se infiltrar nas contas pessoais de e-mail de altos funcionários israelenses, nos sites de internet dos partidos políticos, de alguns ministérios e de organismos de segurança, além do portal do Corpo de Bombeiros.

Na página de um dos deputados mais direitistas do partido governante Likud, Dani Danon, foi implantada uma fotografia de Ahmed Jaabari, o chefe do braço armado do Hamas que foi assassinado por Israel no início da ofensiva. Em represália, hackers israelenses atacaram os sites de vários grupos militantes de Gaza e do governo do Hamas.

Uma dimensão paralela é a guerra psicológica através das diferentes plataformas de comunicação: internet, rádio, televisão, mensagens SMS ou uma combinação delas.

No último domingo Israel interceptou os sinais das emissoras do Hamas e da Jihad Islâmica para implantar uma mensagem de seus serviços de inteligência no qual pedia aos espectadores, em um mais do que insuficiente árabe, que se “mantenham afastados das infraestruturas do Hamas” e “não ajudem os terroristas”.

Os SMS são uma via que a Inteligência israelense emprega há anos, e para não faltar à tradição não deixou de fazê-lo nesta ofensiva. Centenas de moradores da faixa receberam por essa via a mesma mensagem implantada nas emissoras.

“Meu celular tocou e na tela aparecia um número desconhecido que começava pelo código internacional 0044”, relatou Said Khaled Ashqar, um dos que receberam uma mensagem gravada.

Ele acrescentou que, apesar de a princípio ter hesitado em atender a chamada, no final a curiosidade prevaleceu e ele ouviu uma mensagem gravada em árabe na qual o Exército israelense lhe pedia para “não ajudar os terroristas do Hamas e se afastar de seus foguetes”.

 

Por Terra – Publicado em 21/11/2012

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s