Google promete lutar contra acesso do governo a e-mails

Segundo a empresa, pedidos do governo para acessar dados de usuários de serviços como o Gmail aumentaram mais de 70% em 2009.

WASHINGTON – O Google vai fazer lobby em Washington em 2013 para dificultar o acesso das autoridades policiais norte-americanas a e-mails e outras mensagens digitais. Em mensagem por ocasião do Data Privacy Day, nesta segunda-feira (28), o vice-presidente jurídico do Google, David Drummond, disse que o gigante das buscas, em coalizão com muitas outras poderosas empresas de tecnologia, tentaria convencer o Congresso a atualizar a lei de proteção da privacidade de 1986.

Ele citou dados que mostram que os pedidos governamentais de acesso a dados de usuários do Google cresceram em mais de 70% desde 2009. Em 2012, o Google recebeu 16.407 pedidos de dados sobre usuários, afetando 31.072 usuários ou contas, mais de metade deles acompanhados por uma intimação.

“Somos uma empresa que respeita a lei e não desejamos que nossos serviços sejam usados de maneiras prejudiciais. Mas é igualmente importante que a lei proteja vocês contra solicitações amplas demais de informação pessoal”, afirmou Drummond no post.

A Electronic Communications Privacy Act, aprovada nos Estados Unidos nos primeiros dias da internet, não requer que investigadores do governo obtenham mandados de busca quando solicitam acesso a e-mails e outras mensagens armazenados online, o que significa que essas formas de comunicação recebem proteção inferior a, digamos, cartas guardadas em uma gaveta ou mesmo mensagens armazenadas no disco rígido de um computador.

O atual sistema também apresenta distinções complexas, muitas contestadas judicialmente, entre e-mails salvos como rascunhos online, ou mensagens em trânsito, abertas ou não abertas.

O acesso a algumas dessas modalidades é possível via intimação, e estas são uma forma de acesso facilitado em comparação com os mandados de busca, porque muitas vezes não requerem a participação de um juiz.

Um mandado em geral é aprovado por um juiz se os investigadores apresentarem “causa provável” para acreditar que suas buscas revelarão informações relacionadas a um crime.

Google, Microsoft, Yahoo e Twitter – entre outros serviços online – resistiram a pedidos de acesso a dados de seus usuários. Essas empresas adotaram normas, com base na proteção que a constituição norte-americana oferece contra buscas injustificadas, para requerer mandados de busca antes de conceder acesso a comunicações privadas de usuários.

 

Por IG – Publicado em 29/01/2013

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s