Obama tem autoridade para lançar ciberataques preventivos

Além de mísseis, códigos de programas de computador estão no arsenal dos Estados Unidos. Uma investigação divulgada nesta segunda-feira pelo jornal The New York Times revela que ciberataques preventivos estão entre os recursos que o presidente americano tem à sua disposição caso sejam descobertas evidências da preparação de uma grande investida digital contra os Estados Unidos.

Citando os autores da investigação, o jornal afirma que a nova decisão também descreve como as agências de inteligência podem buscar em redes de informática potenciais ataques contra os Estados Unidos e, se aprovado pelo presidente, atacar aos adversários com um código destrutivo, mesmo que não haja uma guerra declarada.

A iniciativa surge quando o departamento de Defesa americano aprovou uma expansão de sua segurança informática para os próximos anos com a intenção de defender redes fundamentais. O jornal The Washington Post informou que o departamento de cibercomando deve aumentar seu pessoal de 900 a 4.900 efetivos.

A importância da ameaça foi evidenciada com uma série de sabotagens que inclui uma em que um vírus foi empregado para deletar os dados de mais de 30.000 computadores em uma petroleira estatal saudita em meados do ano passado.

Sabe-se que o presidente Barack Obama ordenou o uso de ciberalarmes apenas uma vez, quando autorizou uma escalada de ataques contra instalações de enriquecimento de urânio iranianas, segundo o Times.

A operação, chamada “Olympic Games”, começou no Pentágono durante o governo de George W. Bush (2001-2009), segundo o jornal.

Os ataques contra o Irã ilustram como a infraestrutura de um país pode ser destruída sem ser bombardeada, destacou a investigação.

Um alto funcionário destacou que os investigadores concluíram que as ciberarmas são muito poderosas – tanto quanto as armas nucleares – e que apenas devem ser lançadas sob rígidas ordens do Comandante-em-chefe,

Sob esta nova norma, o Pentágono não se envolverá na defesa de ataques cibernéticos comuns contra empresas ou indivíduos americanos, já que essa responsabilidade compete ao Departamento de segurança interna, acrescentou.

Vários jornais americanos, entre eles o Washington Post, The New York Times e The Wall Street Journal, revelaram nos últimos dias ter sofrido ciberataques e que suspeitam da participação de hackers chineses.

 

Por Terra – Publicado em 04/01/2013

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s