Justiça se nega a ouvir mulher multada em US$ 222 mil por baixar 24 músicas

É a terceira vez que a Suprema Corte dos Estados Unidos fica longe de polêmica contra a indústria fonográfica.

A Suprema Corte dos Estados Unidos se recusou a ouvir as apelações de Jammie Thomas-Rasset, que foi condenada a pagar US$ 222 mil por baixar 24 músicas ilegalmente pelo Kazaa.

Ela foi a primeira pessoa a revidar contra um processo em massa aberto nos anos anos 2000 pela RIAA (associação que reúne Universal, Sony, Warner e EMI).

Em agosto de 2005, Jammie, assim como milhares de americanos, recebeu uma carta avisando sobre o caso, só que em 2007 ela resolveu bater de frente. Só ela e outra pessoa tomaram essa atitude, o estudante Joel Tenenbaum.

Após seis anos de processo, passando por três vereditos diferentes (US$ 1,5 milhão, US$ 1,92 milhão e US$ 222 mil), ela esperava ser ouvida pela Suprema Corte para dizer que a condenação seria inconstitucional, o que não aconteceu.

É a terceira vez que a Corte se nega a analisar um caso contra a RIAA, sendo que um dos outros dois foi o de Tenenbaum, condenado a pagar US$ 675 mil por compartilhar 30 músicas.

Em entrevista à Wired, Jammie afirmou não ter como pagar essa quantia. “Se eles decidirem tentar recolher [os US$ 222 mil] eu vou à falência, já que não tenho outra opção”, lamentou.

 

Por Olhar Digital – Publicado em 19/03/2013

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s